Blog Post

O MINDSET ANALÍTICO E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O NEGÓCIO

MINDSET ANALÍTICO E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O NEGÓCIO

Você já deve ter escutado uma dessas duas frases na sua vida em negócios: “Se o caixa é Rei, a Rainha é a Estratégia”, ou então essa: “Faturamento é vaidade, lucro é sanidade e caixa é rei”, ou até essa aqui: “Dados é o novo Petróleo”.

Primeiramente deixe-me trazer o contexto de Finanças Corporativas em que estão baseadas no objetivo de maximizar o valor de mercado da empresa e na sequência acrescentaremos a isso o ‘Mindset Analítico’. O professor e economista Alexandre Assaf Neto nos diz claramente em sua abordagem sobre Criação de Valor “A riqueza de uma empresa é determinada pela qualidade de suas decisões financeiras, obtida de acordo com a relação de equilíbrio entre risco e retorno esperados. Assim, o desempenho operacional de uma empresa deve ser avaliado por seu valor econômico criado, de maneira consistente com seu objetivo de maximização da riqueza dos seus acionistas”. Não iremos entrar em detalhes mais específicos de Finanças aqui, mas olhem a primeira parte dessa fórmula, que Assaf nos traz:

Fonte: Neto, Alexandre Assaf, 2010.

Explicando de uma forma bastante sucinta, o desempenho operacional da empresa deve promover resultados que remunerem o capital em valores acima de uma taxa mínima requerida. Essa riqueza é maximizada conforme a criação de valor se mantenha e a empresa eleve seus níveis de investimento.

Mas o que o mindset analítico tem a ver com a criação de valor para o negócio?

Ora pois, tudo!

Só pela primeira variável da fórmula acima (e aqui vamos focar somente nela), pois acreditamos que a segunda variável seja uma consequência da tomada de decisão por aquela, veja: BENEFÍCIOS ECONÔMICOS GERADOS DE CAIXA, ainda não conseguiu vislumbrar? Vem comigo que no caminho eu te explico.

Qual foi a primeira ação das empresas assim que a pandemia iniciou, muito breve já no primeiro mês, proteção do caixa, certo? E naquele instinto de sobrevivência no que as empresas se viram quase que obrigadas a fazer? Expandir para outros canais fortalecendo suas bases digitais. O que trouxe a enxurrada de ‘transformação digital’, onde no início parecia meio desengonçada sua implementação, mas logo estabilizou e tomou corpo, Eureka! Descobrimos o poder da multicanalidade, descobrimos como revisar custos fixos, margens e até realocar esforços para novas estratégias em focos que antes nem pensaríamos em ter (ao menos no curto prazo).

Mindset analitico - prioridades estrategicas

Fonte: AAA, Instagram 2021

Num primeiro momento nunca se falou (e agiu) tanto em estratégias financeiras e num segundo momento, com a digitalização a pauta veio com tudo: Big Data, Análise de Dados e Mindset Analítico.

Não bastava agora a empresa ter revisado sua estrutura de capital e suas finanças, ter investido em transformação digital, ter compreendido que essa era a nova realidade daqui pra frente, alguns dizem que antecipamos 5 anos em 5 meses quando nos referimos à transformação digital como um todo. O que estava em jogo era além disso, e estava diante de nossos olhos, ou melhor, de nossas telas. A informação que era possível gerar com todos os dados circulando a uma quantidade e velocidade jamais vistas.

E analisando o gráfico acima percebemos como a análise de dados é transversal a toda a empresa e à qualquer uma das prioridades escolhidas e motor para criação de valor para o negócio.

Devemos lembrar aqui os Drivers da Transformação Digital:

  • Big Data & Analytics – Os dados são o novo ativo estratégico das empresas
  • Mobile – Novas formas de interação que proporcionem experiências customizadas
  • Cloud – A nuvem é necessária para os nativos digitais
  • Social – Habilitar ou influenciar o consumidor de forma automatizada

E aqui listamos alguns aceleradores:

  • Segurança Cibernética
  • AR/ VR
  • Cognitive/AI
  • 3D Printing
  • Robôs Autônomos
  • IoT
  • Blockchain

Vejamos esse outro gráfico:

Disponibilizado pelo Cappra Institute for Data Science. Ele mostra que até 2025 serão gerados mais de 160 Zetabytes de dados no mundo e apenas 3% será humanamente possível de analisar.

E todos os Drivers e aceleradores da Transformação Digital geram o quê? Mais dados. É aqui que entra o Mindset Analítico e seu poder em criar valor ao negócio. E esse Mindset é sustentado por pessoas, e essa cultura Data-Driven é composta de 80% de pessoas, o restante é tecnologia e processos. Falamos aqui nesse artigo sobre Data Literacy, e a capacidade do profissional ser alfabetizado e estar à vontade com dados.

As famosas perguntas do negócio serão feitas por PESSOAS, não podemos ignorar isso.

O MINDSET ANALÍTICO E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O NEGÓCIO

Além disso, o mindset analítico possibilita materializar sistemas, como disse Alexandre Costa à L&THA em entrevista citando algumas possibilidades:

  • Redução dos Tempos de Ciclo;
  • Tempos de Operação;
  • Redução de Custo Fixo;
  • Automatização de Processos;
  • Aumento de Atendimentos;
  • Criação de Operações (mais efetivas, claro);
  • Possibilidade de distanciamento Operacional.

As 5 maiores empresas em Valor de Mercado são de Tecnologia e sobretudo utilizam dados no seu core:

mindset analitico maiores empresas de tecnologia

Ouvi uma vez de um especialista que feeling não escala, dados sim. Faz sentido?

Nunca se esqueça que A ANÁLISE DE DADOS LIBERTA E EMPODERA.

See you soon.

mm

Sobre Maria Eugênia Faccio

Head de Inteligência do Studio Estratégia, Especialista em Gestão Financeira, Custos e Resultados pela FGV/RJ, Master in Business Innovation pela Católica/SC e Economista pela UFSC. Hoje trabalha o mindset de inovação e seus desdobramentos em gestão, finanças e dados, em médias e grandes empresas Nacionais e Multinacionais. Professora de pós-graduação, Founder e CEO da BIZI_a Business Intelligence Hub.

Deixe seu comentário